fluxo de caixa

Fluxo de caixa: entenda o que é e qual a sua importância

O objetivo de todo negócio, independentemente do seu porte, é alcançar bons resultados e, com isso, atingir o sucesso financeiro. Todavia, para tanto, é importante que a gestão seja feita de maneira adequada. Logo, é preciso lançar mão de ferramentas e estratégias apropriadas, e, entre elas, está o controle do fluxo de caixa.

Além de fundamental para conduzir de forma correta a gestão financeira de um empreendimento, o fluxo de caixa, se controlado de maneira eficiente, é uma excelente referência na hora da tomada de decisões. Se você quer saber como ele funciona e conferir algumas dicas para não errar nesse gerenciamento, prossiga com a leitura!

O que é o fluxo de caixa?

É possível definir o que é o fluxo de caixa de maneira bastante simples, sem precisar complicar logo de cara — ele não é nada mais do que o processo pelo qual é feita a gestão de todo o dinheiro que entra e que sai da conta de um negócio em determinado período (dias, semanas ou meses, por exemplo).

Pode parecer algo menor, mas manter em dia o controle do fluxo de caixa de uma empresa é fundamental para que ela consiga honrar seus compromissos, prosseguir com suas atividades e gerar lucros.

Para entender melhor a importância disso, basta pensar que é normal que todas as contas e pagamentos tenham uma data de vencimento fixa, enquanto as vendas são feitas ao longo do mês, às vezes, de forma irregular. Com isso, sem o devido gerenciamento, pode faltar dinheiro em caixa quando for necessário fazer frente a esses compromissos.

Como fazer o controle do fluxo de caixa e como ele funciona?

O fluxo de caixa vai além do mero registro de tudo que entra e sai da conta da empresa. Obviamente, todos os gastos e as entradas devem ser registrados da maneira mais detalhada possível, mas, sem um planejamento eficiente, esse controle deixa de fazer sentido.

Para que o planejamento incluído no controle do fluxo de caixa cumpra seu papel, é importante que ele seja realista e traga expectativas sobre a previsão de vendas naquele período. Isso tem que considerar as receitas médias dos meses anteriores, as variações que ocorrem de acordo com a época do ano e os pagamentos de parcelamentos que ainda não foram recebidos.

De forma simultânea, do outro lado, é preciso acompanhar as despesas esperadas. Inclua, nessa categoria, as contas de água, luz, telefone, aluguel, encargos tributários, a folha de pagamento e tudo de que o negócio depende para manter suas atividades de forma plena. Junto aos valores de cada obrigação, não se esqueça de anotar qual a sua data de vencimento.

Com esses dados em mãos, é preciso confirmar se eles são compatíveis. Se as saídas estiverem maiores que as entradas, será necessário fazer ajustes, reduzindo os gastos. Sem isso, as contas da empresa serão comprometidas, principalmente se esse “descasamento” entre receitas e despesas se mantiver por muito tempo.

O controle do fluxo de caixa pode ser feito com diversos instrumentos. Em negócios de pequeno porte, é comum que as tradicionais planilhas de papel ainda sejam usadas. Enquanto isso, grandes empresas dificilmente abrirão mão de sistemas de gestão online, que centralizam e automatizam boa parte do processo.

Quais os principais tipos?

Ainda que o conceito geral de fluxo de caixa seja relativamente simples, é possível também definir diferentes tipos deles — cada um com características e finalidades particulares, que se ajustem a diferentes necessidades. Confira abaixo alguns exemplos que merecem ser conhecidos.

Fluxo de caixa direto

Considera simplesmente a forma bruta de todas as transações financeiras realizadas em determinado período, ignorando qualquer eventual desconto. As entradas e saídas são divididas em categorias e o controle é feito de forma diária, o que demanda uma dedicação maior dos responsáveis.

Fluxo de caixa indireto

As transações em um fluxo de caixa indireto levam em consideração determinadas variações na hora de fazer as contas. Entre essas variações, estão custos com amortização e com a depreciação de ativos. É o método utilizado por contadores para apontar se uma empresa teve lucro ou prejuízo.

Fluxo de caixa projetado

Como o próprio nome diz, ele serve para projetar e planejar receitas e despesas. No seu cálculo, são excluídos gastos ou entradas que já foram retirados ou incluídos no orçamento. Com isso, são evitadas surpresas no dia a dia.

Fluxo de caixa operacional

Esse tipo de fluxo de caixa considera todos os gastos e as despesas de caráter operacional, que são aqueles essenciais ao funcionamento da empresa. É o ideal para empreendimentos que ainda estão no começo e que concentram a maior parte das suas despesas nesses custos operacionais.

Fluxo de caixa livre

O fluxo de caixa livre é utilizado como parâmetro para calcular qual a capacidade de geração de receita de um negócio. Com isso, torna-se possível estimar qual o saldo disponível tanto em curto quando em médio e longo prazos.

Qual a função do controle do fluxo de caixa na hora de tomar decisões?

O grande benefício de um controle de fluxo de caixa eficiente e que reflita com precisão as contas do negócio é que esses dados servem como base para que todas as decisões que precisam ser tomadas sejam colocadas em prática a partir das informações disponíveis e não com base em meras suposições.

Com o fluxo de caixa em mãos, é possível analisar com cuidado a situação da empresa e refletir em que locais é possível fazer ajustes, se determinado investimento deve ser feito ou mesmo se uma promoção pode ser realizada.

Uma hipótese: de nada adianta fazer grandes promoções se, ao mesmo tempo em que aumentam as vendas, elas elevam os custos operacionais do negócio. Isso certamente gerará um descompasso entre receitas e despesas, o que mostra que sua estratégia para impulsionar as vendas não está gerando efeito ao desfalcar o fluxo de caixa.

O fluxo de caixa não é nada mais que uma forma de contabilizar e refletir em números todas as ações e estratégias conduzidas em uma empresa. Por isso, conte sempre com esse instrumento como um aliado para ver o que está dando certo no seu negócio e o que pode ser melhorado, aprimorando seu planejamento financeiro em busca do sucesso.

Quer mais dicas sobre como não errar na hora de elaborar o planejamento financeiro da sua empresa? Confira nosso post que trata do sucesso no planejamento das finanças corporativas.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.